Brasil: Isto é quanto o brasileiro já pagou de tributos de 01/01/2015 até 20/03/2015

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Complexo do Alemão: enquanto família se muda por ameaça do tráfico, bandido vivia há um mês na favela





Paulo Carvalho

 
Como um cidadão comum e parecendo viver em paz dentro de uma região pacificada , o Complexo do Alemão, Moisés Timóteo da Silva Lisboa, de 23 anos, estava ontem num bar na Rua Canitar, na Fazendinha, com a mulher. Foi aquela favela que Timóteo — apontado pela polícia como ex-chefe do tráfico do Morro do Borel, na Tijuca — escolheu como o lugar mais seguro para se esconder da polícia. Na área onde ele domina a venda de drogas, existe uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) desde junho do ano passado.
Ontem à tarde, a paz de Timóteo foi perturbada por dez policiais da 19ª DP (Tijuca), que o prenderam, de camisa, bermuda e chinelo de dedo, na mesma rua onde fica uma das bases da Força de Pacificação do Exército. Um dia antes, acossada pelo tráfico, toda uma família teve de deixar o Alemão sob escolta da polícia: a do eletricista Wallace Moreira Amorim, executado com 13 tiros em 4 de maio deste ano.
Segundo investigadores que monitoravam os passos do traficante há algum tempo, a casa onde Timóteo se escondia era próxima do local onde foi preso — e, por tabela, da base dos militares.
Tanta proximidade fez com que ontem os agentes pedissem autorização ao Exército para cumprir os três mandados de prisão que havia contra Timóteo por tráfico de drogas, roubo e receptação.
Na delegacia, Timóteo admitiu que abandonou sua casa no Borel há um mês para se esconder no Alemão. O delegado Fabiano Gama, titular da 19ª DP, não soube informar se, no seu novo endereço, o acusado ainda exercia sua principal atividade, a venda de drogas.
Timóteo é apontado pela polícia como o sucessor do traficante William Vieira Rodrigues, o Robocop, preso em agosto de 2009 no Morro do Borel.
Policiais escoltam a família do eletricista executado pelo tráfico no Complexo do Alemão
Policiais escoltam a família do eletricista executado pelo tráfico no Complexo do Alemão Foto: Guilherme Pinto/Extra

No currículo de Timóteo, existe a acusação de ser o responsável pelo ataque sofrido pelo médico Lídio Toledo Filho, em dezembro de 2008, na subida do Alto da Boa Vista, após uma tentativa de assalto. A vítima levou três tiros, um no pescoço e dois no peito, e acabou ficando paraplégica.
O acusado, de acordo com o delegado Fabiano Gama, era também o responsável por uma série de roubos e pela formação de bondes do tráfico na região da Tijuca, entre 2008 e 2009.
Ontem, o Exército decidiu se pronunciar sobre os fatos violentos ocorridos dentro do Alemão e a presença de traficantes na região. Em entrevista ao “RJTV”, da TV Globo, o comandante da Força de Pacificação, general Carlos Sarmento, disse que, caso a família do eletricista tivesse procurado o Exército, a escolta teria sido feita pelos militares. Sarmento enfatizou ainda que toda a região está pacificada e que as ações do tráfico no Alemão estão controladas.
FONTE: http://extra.globo.com/casos-de-policia/complexo-do-alemao-enquanto-familia-se-muda-por-ameaca-do-trafico-bandido-vivia-ha-um-mes-na-favela-1850813.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário